Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal
quinta-feira, 06-10-2022
PT | EN
República Portuguesa-Cultura Homepage DGLAB

Skip Navigation LinksPesquisaAutores1

Biografia

Biografia
                  

Mário Lyster Franco  
[Faro, 1902 - Faro, 1984]  

Escritor e jornalista. Licenciou-se em Direito na respectiva Faculdade de Lisboa (1927). Ainda jovem estudante do Liceu de Faro, dirigiu o periódico de vida efémera, O Algarvio. Quando estudou em Lisboa, foi colaborador dos jornais O Tempo e A Palavra, e chegou a ser redactor efectivo de A Pátria.

Terminado o curso de Direito, regressou à sua terra natal, onde se fixou, vindo a assumir o cargo de redactor distrital do Diário de Notícias, onde durante décadas publicou uma notável série de artigos de defesa da sua província, bem como dos valores histórico-patrimoniais ali existentes em entusiástica propaganda dos interesses regionalistas do Algarve. Em 1946 assumiu o cargo de director do Correio do Sul, semanário que se publica desde 1919 em Faro.

Conferencista, tanto na sua província como em Lisboa, sobre os mais variados temas, passou a fazer parte das diversas comissões de iniciativas e turismo desde 1929, tendo desempenhado por mais de uma vez as funções de presidente da Câmara Municipal. Membro da extinta Junta de Província, foi conservador-adjunto do Museu Arqueológico e Lapidar do Infante D. Henrique, devendo-se-lhe a fundação do Museu Antonino e a construção do Bairro dos Centenários (Faro), bem como a publicação de numerosos roteiros, guias e folhetos de propaganda sobre o Algarve.

Delegado pelo Algarve na Comissão Executiva das Comemorações Centenárias de 1940, em 1941 dirigiu os trabalhos de conservação e restauro levados a cabo pela Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais nas ruínas do balneário romano de Milréu, os quais lhe possibilitaram a descoberta de novas divisórias que alteraram as plantas do edifício elaboradas por Estácio da Veiga e pelo Cónego Pereira Boto, tendo elaborado sobre o assunto desenvolvido relatório que apresentou ao Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências, realizado no Porto em 1942.

Sócio correspondente do Instituto Português de Arqueologia, História e Etnografia, da Associação dos Arqueólogos Portugueses e da Sociedade Portuguesa de Antropologia e Etnologia (Porto), foi condecorado com o grau de oficial da Ordem Militar de Cristo e eleito sócio da Classe de Letras da Academia das Ciências de Lisboa. M. Lyster Franco deixou uma valiosa biblioteca composta por mais de 25 000 volumes, cuja maioria compõe a mais rica «Algarviana» do País e que foi adquirida pela Universidade do Algarve. Aliás, com a sua morte, foi interrompida a publicação da mais exaustiva obra sobre a bibliografia algarvia, que o autor intitulou Algarviana: Subsídios para uma Bibliografia do Algarve e dos Autores Algarvios e de que saiu o vol. I (A-B).
in Dicionário Cronológico de Autores Portugueses, Vol. IV, Lisboa, 1997