Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal
sexta-feira, 19-04-2019
PT | EN
República Portuguesa-Cultura Homepage DGLAB

Skip Navigation LinksPesquisaAutores1

Biografia

Biografia
                  

Mário Ventura  
[Lisboa, 1936 - Lisboa, 2006]  

mário ventura
Jornalista e ficcionista.

Designa-se a si próprio alentejano «por afeição», tendo participado em inúmeras jornadas cívicas em defesa da democracia, com especial destaque durante o período da ditadura.

Concluído o liceu, entrou para a redacção do Diário Popular (1958), donde saiu em 1972 para gerir uma empresa de publicações. Em 1975 entrou para a redacção do Diário de Notícias, donde veio a sair nesse mesmo ano, fundando, com alguns colegas de trabalho, o semanário de curta existência, Extra. Fez também parte do quadro redactorial da revista Seara Nova.

Reingressou no Diário de Notícias em 1979, onde trabalhou até 1988. Enviado especial do Diário de Notícias para Espanha, correspondente da imprensa espanhola em Portugal e editor para Portugal da prestigiada revista espanhola Cambio 16.

Fundador do Festival Internacional de Cinema de Tróia, a que preside, foi também dirigente da Associação Portuguesa de Escritores e do Sindicato Nacional dos Jornalistas.

A sua ficção, que se inicia a partir dos anos sessenta, insere-se na corrente denominada neo-realismo, mas numa fase tardia desta. Ao saudar o aparecimento do seu segundo romance, A Sombra das Árvores Mortas (1966), Mário Sacramento (in Diário de Lisboa, 7/7/66) definia-o como «um romance da juventude pequeno-burguesa urbana», que, sendo «uma obra neo-realista na intenção», assumia no entanto «uma expressão que é de realismo crítico».

Autor de volumosa e dispersa obra jornalística e literária, publicada em jornais e revistas, foi prémios Pen Clube e Cidade de Lisboa em 1986 e, novamente, Pen Clube em 1991.
in Dicionário Cronológico de Autores Portugueses, Vol. VI, Lisboa, 1999