Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal
quinta-feira, 01-12-2022
PT | EN
República Portuguesa-Cultura Homepage DGLAB

Skip Navigation LinksPesquisaAutores1

Biografia

Biografia
                  

D. Francisco de Portugal  
[Évora, 1483? - Évora, 1549]  

Poeta palaciano, bilingue

Primeiro conde de Vimioso. Fidalgo das cortes de D. Manuel I e de D. João III, militar, homem de estado e poeta. Filho de D. Afonso de Portugal, que em 1485 veio a ser bispo de Évora. Em 1498, integrou o séquito de D. Manuel na sua viagem a Castela. Em 1509, encontra-se em Arzila, durante o cerco daquela praça, e, em 1513, faz parte da expedição de D. Jaime, 4º. Duque de Bragança, que culmina com a conquista de Azamor. Em 1518, é feito alcaide-mor de Tomar, em 1530 torna-se alcaide-mor de Vimioso e em 1534 é senhor de Aguiar da Beira e de Vimioso.

Fez parte do Conselho de Estado nos reinados de D. Manuel e D. João III e foi, em 1534, nomeado por este último camareiro-mor do príncipe D. Manuel, e na sequência da morte deste, do príncipe D. João. Em 1542, assina contrariado, como procurador, os contratos de casamento dos príncipes D. João e D. Maria com os filhos de Carlos V, D. Joana e D. Filipe, o futuro Filipe II. Em 1543, deixa a corte e vai para Évora, onde morre em 1549.

As suas Sentenças, aforismos em prosa e em verso, mereceram a edição póstuma, em 1605, e o elogio dos literatos da época.

Quanto às poesias, reunidas principalmente no Cancioneiro Geral de Resende, onde é geralmente designado pelo título de conde de Vimioso, são exemplo do estilo lírico do seu tempo. É um dos mais sensíveis poetas do Cancioneiro e também um dos mais fecundos. O seu espírito de poeta palaciano consumado está presente em composições de toda a índole: trovas à porfia (com Aires Teles, Garcia de Resende e outros), sentenças, momos (entremeses dramáticos), cantigas em castelhano, participação em «torneios» poéticos colectivos, experiências em curiosos metros de onze sílabas. Assina cerca de quarenta composições e exprime nelas de forma perfeitamente conseguida o ideal galante da poesia palaciana, sua contemporânea.

Não são pecos em elogios para com a sua conduta e obra sujeitos seus contemporâneos como António de Ataíde, Gil Vicente ou Damião de Góis.
Centro de Documentação de Autores portugueses
04/2010