Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal
sexta-feira, 19-04-2019
PT | EN
República Portuguesa-Cultura Homepage DGLAB

Skip Navigation LinksPesquisaAutores1

Biografia

Biografia
                  

Luísa Ducla Soares  
[Lisboa, 1939]  

Luísa Ducla Soares nascida em 1939, em Lisboa, licenciada em Filologia Germânica e assessora na Biblioteca Nacional até à sua aposentação, sempre aliou às suas preocupações pedagógicas a vertente lúdica e a curiosidade pelos media, tendo escrito vinte e seis guiões televisivos sobre a língua portuguesa e colaborado com a equipa do programa «Rua Sésamo». Na sua juventude, colaborara em diversos jornais e revistas e estreou-se na escrita literária com um livro de poemas para o público adulto, Contrato, em 1970, na sequência de um estreito relacionamento, ainda na universidade, com poetas do grupo Poesia 61 Neto Jorge, Fiama Pais Brandão, Gastão Cruz e outros).

Investigadora e divulgadora da literatura oral/popular/tradicional, e da literatura infanto-juvenil, com algumas excelentes incursões na tradução, é sobretudo autora de mais de uma centena de livros originais – contos, poesia, uma peça de teatro e algumas narrativas para jovens – que se dirigem a públicos variados, embora com maior incidência nas faixas etárias dos 5-6 e 8-11 anos.

Coerente com as suas opções ideológicas, recusou o Grande Prémio da Literatura Infantil que, em 1973 – ou seja, ainda no tempo da ditadura –, o S.N.I. (Secretariado Nacional de Informação) pretendeu atribuir-lhe, pelo livro História da papoila, aceitando, porém, o Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura para Crianças para o melhor texto do biénio 1984-5, por 6 Histórias de encantar, em cuja introdução afirma: «Lúdico, tradicional, insólito ou ligado à ficção científica,o maravilhoso pode constituir um complemento à monotonia do quotidiano, uma forma de humor, uma pedrada no charco, um desafio à imaginação.»

Na sua poesia (Poemas da mentira... e da verdade, A Gata Tareca e outros poemas levados da breca, entre outros títulos) imaginosa e irreverente, o próprio sentido das palavras é questionado e reina, por vezes, o nonsense das «rimas infantis». De referir, aliás, que várias composições poéticas da Autora foram convertidas em canções, tendo sido editado, em 1999, um CD com textos de sua autoria musicados por Suzana Ralha. O CD intitulou-se 25, pelo facto de ser composto por 25 canções e de a sua edição se ter enquadrado na comemoração dos 25 anos da Revolução de 25 de Abril.

Os seus contos recusam o adocicado estereótipo do universo infantil, ao qual contrapropõem, numa linguagem coloquial, transbordante de sentido de humor, um mundo em que a felicidade se conquista com as próprias forças, quer se seja um rapaz (O rapaz e o robô) ou uma bruxa (A vassoura mágica). Percorrendo toda a galeria das personagens mais amadas – vampiros, fantasmas, sereias, monstros, dragões, dinossáurios e robôs –, subtilmente instila a mensagem de que ser diferente é ser complementar, semente fértil de amizade. Nos seus últimos livros, quer de poesia quer de contos, e de modo muito eficaz, logra tematizar com naturalidade e sensibilidade questões muito actuais como o materialismo e o consumismo exacerbados da sociedade contemporânea, bem como tópicos relacionados com a condição dos imigrantes, a guerra e o racismo. O humor, como já foi dito, é outra das suas imagens de marca e um dos factores do seu sucesso junto dos leitores. De referir ainda que, embora seja escritora e não ilustradora, muitos dos seus textos para leitores mais pequenos ou mesmo pré-leitores evidenciam, pela sua estrutura, uma especial vocação para a transformação em álbuns ou picture books, sobretudo quando potenciados por ilustradores de qualidade, como sucedeu em Os ovos misteriosos (obra sobre a valorização das diferenças como elemento de força de um grupo social), parceria feliz com Manuela Bacelar.

No contexto desta obra individualiza-se, porque dirigido aos 12-14 anos, Diário de Sofia e C.ª aos 15 anos, em que aborda as preocupações da adolescência actual num registo tão verosímil, que a própria filha acreditou que lhe tinha lido o diário.

Êxito garantido junto de crianças grandes leitoras e das que não gostam de ler, tardou a distinção com que, em 1996, o conjunto da sua obra foi galardoado: o Grande Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura para Crianças, sinal do reconhecimento público de uma das vozes mais interessantes da nossa literatura para a infância. Em 2004, a Associação Portuguesa para a Promoção do Livro Infantil e Juvenil (Secção Portuguesa do International Board on Books for Young People propôs Luísa Ducla Soares – que tem títulos seus traduzidos em francês e em várias línguas do estado espanhol – como candidata portuguesa ao Prémio Hans Christian Andersen.


Bibliografia selectiva: História da papoila (1972), Lisboa: Estúdios Cor; O soldado João (1973), Lisboa: Estúdios Cor; O dragão (1982), Lisboa: Horizonte; Três histórias do futuro (1982), Porto: Afrontamento; Poemas da mentira... e da verdade (1983), Lisboa: Horizonte; 6 Histórias de encantar (1985), Porto: Areal Editores; A vassoura mágica (1986), Porto: ASA; O fantasma (1987), Lisboa: Horizonte; Crime no Expresso do Tempo (s.d.), Lisboa: Vega; A Gata Tareca e outros poemas levados da breca (1991), Lisboa: Teorema; Diário de Sofia e C.ª aos 15 anos (1994), Porto: Civilização; Os ovos misteriosos (1994), Porto: Afrontamento; O rapaz e o robô (1995), Lisboa: Terramar; As viagens de Gulliver de Jonathan Swift (adaptação para teatro) (2001), Porto: Civilização; A cavalo no tempo (2003), Porto: Civilização; Abecedário maluco (2004), Porto: Civilização; Contos para rir (2004), Porto: Civilização; Há sempre uma estrela no Natal(2006), Porto: Civilização; A menina do Capuchinho Vermelho no século XXI (2007), Porto: Civilização; Desejos de Natal (2007), Porto: Civilização; A árvore das patacas e Sementes de macarrão (2007), Porto: Civilização; O mar (2008), Lisboa: Gatafunho; Novo dicionário do Pai Natal (2008), Porto: Calendário de Letras.
[Maria José Costa; José António Gomes]
10/2011