Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal
segunda-feira, 30-01-2023
PT | EN
República Portuguesa-Cultura Homepage DGLAB

Skip Navigation LinksPesquisaAutores1

Biografia

Biografia
                  

Afonso Ribeiro  
[Vila da Rua, Moimenta da Beira, 1911 - Cascais, 1993]  

Afonso Ribeiro
Professor primário em zonas rurais da região do Norte, trouxe consigo, dentro da escola literária neo-realista de que foi um dos precursores – o seu primeiro livro, Ilusão da Morte (contos, 1938), é considerado uma das primeiras manifestações do Neo-Realismo em obras de ficção –, a enorme vocação de dar nos seus romances, contos e novelas essa epopeia de sofrimentos e humilhações, injustiças e desigualdades das gentes nortenhas, pelo modo de saber dosear bem os modismos da fala mais popular e por desde sempre entender, como afirmou em diferentes entrevistas, que a literatura deveria «ser utilizada como instrumento de intervenção social».

Tendo conseguido grande êxito junto da crítica e do público com os primeiros livros – João Gaspar Simões considerou o seu romance Trampolim (1949) «como um dos melhores livros da corrente neo-realista» –, a sua obra ressente-se hoje dessa filiação neo-realista assumida com alguma evidente ingenuidade, para lá do interesse documental de muitas das suas páginas, como na trilogia do «ciclo da serviçal doméstica prostituída», Maria, iniciado com Escada de Serviço.

Viveu em Moçambique entre 1942 e 1975, deixou de publicar regularmente os seus romances, e esse demorado silêncio levou-o a afastar-se dos leitores, sendo agora mera referência pontual sempre que se fala na arrancada do movimento neo-realista em Portugal, embora fosse saudado com entusiasmo pelo crítico João Pedro de Andrade, que considerou o seu primeiro livro como o de atingir «momentos de grande beleza literária», porque no conjunto dos contos de Ilusão na Morte se «colocava de golpe na reduzida fileira dos nossos prosadores».

Colaborou no jornal literário de Lourenço Marques Itinerário, nos jornais O Diabo e Sol Nascente e na revista Vértice.
in Dicionário Cronológico de Autores Portugueses, Vol. IV, Lisboa, 1997 [revisto e aumentado em Out. de 2011]