Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal
domingo, 19-09-2021
PT | EN
República Portuguesa-Cultura Homepage DGLAB

Skip Navigation LinksPremioFILGuadalajara

Prémio FIL Guadalajara

Prémio FIL Guadalajara
Data :
23/06/2021

​OEI e DGLAB apresentam candidatura conjunta ao Prémio FIL Guadalajara.


A Organização de Estados Ibero-americanos (OEI-Portugal) e a Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB - Ministério da Cultura) apresentaram, hoje, a candidatura da escritora portuguesa Ana Luísa Amaral ao Prémio FIL Guadalajara.

A Feira Internacional do Livro (FIL), da cidade mexicana de Guadalajara, é considerada a mais importante feira literária do mundo em espanhol. O seu prémio FIL em Línguas Românicas já reconheceu 30 autores desde 1991, 4 deles de língua portuguesa. No ano passado, a grande vencedora do prémio foi a escritora Lídia Jorge.

Ana Luísa Amaral, nascida em Lisboa em 1956, é doutorada em literatura norte-americana. A sua obra literária é vasta e diversificada: escreveu ensaio, teatro, narrativa para adultos e para crianças, sendo a sua poesia fortemente comprometida com os direitos e liberdades. Tem livros publicados nos Países Baixos, Venezuela, Colômbia, Itália, Reino Unido, França, Brasil, Suécia, México, Espanha, Estados Unidos da América e Alemanha.

Foi destacada, entre outros, com o Prémio Literário Correntes d’Escritas / Póvoa do Varzim, o Prémio de Poesia Guiseppe Acerbi, o Grande Prémio de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores, o Prémio Internazionale Fondazione Rom e o Prémio PEN Clube Português para Narrativa.

Foi duas vezes finalista no Prémio Reina Sofia, tendo vindo a conquistá-lo este ano, precisamente em 2021.

Ana Luísa Amaral aceitou a proposta de candidatura ao Prémio FIL Guadalajara dirigida por ambas as entidades, tendo considerado uma enorme honra integrar a lista de nomeados para esta distinção. Entre os apoios anexos à carta de candidatura, encontra-se a Universidade do Porto, Antonio Saez Delgado, coordenador do Prémio Vergílio Ferreira da Universidade de Évora, e Jerónimo Pizarro, da Universidade de Los Andes, Bogotá.

A OEI e a DGLAB sustentam o contributo inquestionável de Ana Luísa Amaral para o património cultural do espaço ibero-americano.