Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal
sexta-feira, 15-11-2019
PT | EN
República Portuguesa-Cultura Homepage DGLAB

Prêmio de Literatura em Língua Portuguesa

Prêmio de Literatura em Língua Portuguesa
Data :
10/12/2018

Marília Garcia, Bruno Vieira de Almeida, Luís Quintais e Luís Carlos Patraquim são os vencedores do Oceanos 2018.


Em decisão inédita, três poetas e um autor de país africano estão entre os quatro vencedores: os portugueses Bruno Vieira Amaral e Luis Quintais e o moçambicano Luís Carlos Patraquim, além da autora brasileira. O Itaú Cultural e Oceanos anunciaram o resultado desta edição, pela primeira vez fora do Brasil, em Lisboa, cidade que também acolheu a reunião do Júri Final.

Lisboa, 7 de dezembro de 2018 – Em cerimônia realizada hoje no Palácio da Ajuda, em Lisboa, com a presença do presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, a ministra da Cultura portuguesa Graça Marques e o diretor do Itaú Cultural Eduardo Saron, o Oceanos – Prêmio de Literatura em Língua Portuguesa anunciou os quatro vencedores de 2018: uma brasileira, dois portugueses e um moçambicano, consagrando escritores de três continentes e aprofundando o processo de internacionalização do prêmio.

A poeta brasileira Marília Garcia ficou em primeiro lugar com Câmera Lenta, recebendo o prêmio de R$ 100 mil. Em segundo lugar, o português Bruno Vieira Amaral, autor do romance Hoje estarás comigo no paraíso, receberá prêmio de R$ 60 mil. O livro de poesia A Noite Imóvel, do português Luís Quintais, ficou em terceiro lugar, pelo qual terá premiação de R$ 40 mil. Fechando a lista, o quarto colocado é o poeta moçambicano Luís Carlos Patraquim, autor de O Deus Restante, premiado com R$ 30 mil.

O Júri Final – composto pela angolana Ana Paula Tavares, pelos portugueses Helena Buescu e Pedro Mexia, e pelos brasileiros Flora Sussekind, Heitor Ferraz Mello e Julián Fuks – escolheu três livros de poesia entre os quatro livros vencedores da edição de 2018, que avaliou livros com publicação em 2017. De modo inédito na história do prêmio, os livros de poesia prevalecem sobre os livros de prosa e incluem um escritor do continente africano.

“Esta edição do Oceanos está rica, cheia de ineditismos: pela primeira vez, anunciamos os premiados em Lisboa, temos autores do Brasil, de Portugal e de Moçambique, o que revela a importância da internacionalização do prêmio, e, de quatro títulos vencedores, três são de poesia, uma dado que merece atenção”, observa a gestora cultural Selma Caetano, curadora e idealizadora do prêmio.

“Tudo isso, fortalece a literatura em língua portuguesa e o papel do Oceanos, que é o de ampliar o conhecimento desta produção em todos os continentes onde há países em que se escreve em português e promover o intercâmbio de livros e entre autores e editoras”, diz Eduardo Saron, diretor do Itaú Cultural, que, na ocasião, também anunciou a decisão do instituto de doar 4.200 livros de clássicos da literatura brasileira para 303 bibliotecas de Portugal – são coleções de 14 livros de autores como Carlos Drummond de Andrade, João Cabral de Melo Neto, Clarice Lispector, Cyro dos Anjos e Machado de Assis, entre romances, contos, poesia e crônicas.

A convite do Ministério da Cultura de Portugal, a reunião do júri e o evento de anúncio do resultado aconteceram pela primeira vez fora do Brasil, onde o prêmio foi criado em 2003 – inicialmente como prêmio Portugal Telecom e, a partir de 2015, como Oceanos.

Desde a edição de 2017, o Oceanos passou a contemplar obras publicadas originalmente em língua portuguesa em todo o mundo – tanto nos países em que se fala oficialmente esta língua quanto naqueles em que o português não é reconhecido como idioma oficial. Com isso, o prêmio se tornou um radar da produção contemporânea dos países unidos pelo idioma.

A realização dessa etapa final em Portugal reforça a proposta do Oceanos de promover o intercâmbio da literatura em língua portuguesa, aumenta a abrangência cultural e a repercussão do prêmio no mundo, e fortalece a governança do Oceanos pelo Itaú Cultural, que também fornece a tecnologia que permite que os livros circulem digitalmente entre curadores e jurados dos diferentes países de língua portuguesa.

O Banco Itaú patrocina o Oceanos ao lado da CPFL Energia, do Instituto CPFL e do governo de Portugal, este por meio do Fundo de Fomento Cultural Português. A curadoria da edição de 2018 foi da gestora cultural Selma Caetano, da editora brasileira Mirna Queiroz e dos jornalistas Isabel Lucas (de Portugal) e Manuel da Costa Pinto (Brasil).

 

CONHEÇA OS LIVROS VENCEDORES E SEUS AUTORES

 

Câmera lenta, de Marília Garcia
Poesia / Brasil

O LIVRO: A obra reflete a pesquisa da autora sobre o processo poético. Nele, a escritora faz do poema o lugar para experimentar, exercitar o pensamento “ao vivo” e testar procedimentos novos, sempre em aberto.

A AUTORA: Nascida na cidade do Rio de Janeiro, em 1979, Marília Garcia é uma escritora, tradutora e editora brasileira. Publicou os livros 20 poemas para o seu walkman, Engano geográfico, Um teste de resistores, Paris não tem centro e Câmera lenta. Participou de encontros e festivais de poesia como o Corpo a corpo com a poesia, na Casa das Rosas, em São Paulo, o Festival Latinoamericano de Poesía Salida al Mar, em Buenos Aires e o Festival Europalia, na Bélgica, em 2011. É coeditora, com os poetas Angélica Freitas, Fabiano Calixto e Ricardo Domeneck, da revista de poesia Modo de Usar & Co. Em 2015, fundou a LunaPARQUE Edições com o poeta Leonardo Gandolfi. Formou-se em Letras e, em 2010, doutorou-se em Literatura Comparada. Atualmente mora em São Paulo e trabalha com tradução.

 

Hoje Estarás Comigo no Paraíso, Bruno Vieira Amaral
Romance / Portugal

O LIVRO: Nesta obra, o autor usa a investigação do assassínio de um primo como estratégia de recuperação e construção da sua própria memória: a infância, a família, o bairro e as suas personagens, Angola antes da independência e nos anos que se lhe seguiram, e a figura (ausente) do pai.

O AUTOR: Nascido na cidade de Barreiro, Portugal, em 1978, é um escritor, crítico literário e tradutor português. É licenciado em História Moderna e Contemporânea, pelo ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

Em 2002 foi selecionado para a Mostra Nacional de Jovens Criadores por meio da sua poesia. Fez várias colaborações no DN Jovem, na revista Atlântico e no jornal i. Atualmente, executa as tarefas de crítico literário, tradutor e autor do Guia Para 50 Personagens da Ficção Portuguesa, e é autor de vários blogues, como o Circo da Lama. É, ainda, editor-adjunto da revista LER e assessor de comunicação das editoras do Grupo Bertrand Círculo.

 

A Noite imóvel, de Luís Quintais
Poesia / Portugal


O LIVRO: É uma indagação sobre o vazio e a destruição que atravessa o nosso tempo. Nele, caminhamos por destroços, marcas em uma imobilidade que desafia o percurso da História e apela de forma tão bela quanto dilacerante, pela memória

O AUTOR: Português nascido em Angola, Luís Quintais é antropólogo, professor e escritor angolano. Criado em Portugal, onde estudou a vida inteira, Quintais publica poemas desde 1991, ainda que só em 1995 tenha conseguido publicar o primeiro livro de poemas A imprecisa melancolia. Traduziu o livro The man with the blue guitar & other poems (1937), de Wallace Stevens, publicado pelas Edições Guilhotina em 2015, com um breve ensaio e um conjunto de notas do poeta.  Na Universidade de Coimbra, leciona cursos sobre culturas visuais, literatura e antropologia, antropologia médica e antropologia cognitiva. Seu mais recente livro de poesia, A noite imóvel, foi publicado em 2017 pela Assírio & Alvim.

 

O Deus restante, de Luís Carlos Patraquim
Poesia / Moçambique

O LIVRO: Conjunto de 20 poemas, em que o autor reproduz uma experiência pessoal e lança um olhar peculiar sobre “os tempos desolados” e o “absurdo da vida”.

O AUTOR: Nascido na cidade de Lourenço Marques, em 1953, Patraquim é um poeta, autor teatral e jornalista moçambicano. Refugiado na Suécia em 1973, regressou a Moçambique em 1975, onde trabalhou no jornal A Tribuna. Encerrado o jornal, integrou o grupo fundador da Agência de Informação de Moçambique (AIM) sob a direção do escritor Mia Couto. De 1977 a 1986 trabalhou no Instituto Nacional de Cinema de Moçambique (INC) como autor de roteiros e de argumentos e como redator do jornal cinematográfico Kuxa Kanema. Em conjunto com Calane da Silva e Gulamo Khan, coordenou, entre 1984 e 1986, a Gazeta de Artes e Letras da revista Tempo. Vive em Portugal desde 1986. Colabora na imprensa moçambicana e portuguesa, em roteiros para cinema e escreve para teatro. É coordenador redatorial da revista Lusografias.

 

Saiba mais sobre a edição 2018 do Oceanos.