Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal
sábado, 16-11-2019
PT | EN
República Portuguesa-Cultura Homepage DGLAB

Skip Navigation LinksPRÉMIO-FERNANDO-NAMORA-2019

PRÉMIO FERNANDO NAMORA 2019

PRÉMIO FERNANDO NAMORA 2019
Data :
16/10/2019

Julieta Monginho vence o Prémio Fernando Namora 2019 com o romance Um muro no meio do caminho.


Com Um Muro no Meio do Caminho, a escritora Julieta Monginho venceu por “unanimidade” o Prémio Literário Fernando Namora, anunciou esta quarta-feira a Estoril-Sol, promotora do Galardão que tem um valor pecuniário de 15 mil euros.

Na deliberação do júri, ao qual presidiu Guilherme d'Oliveira Martins, administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, assinala-se que Um Muro no Meio do Caminho (editado em 2018) é um romance que se “constrói sobre uma das mais pungentes tragédias contemporâneas: a dos refugiados, sobretudo sírios, em fuga de loucuras humanas cada vez mais selváticas”. “Os tormentos experienciados em campos de refugiados, particularmente no campo da ilha de Chios, desenha o contexto em que Julieta Monginho situa a problemática deste drama contemporâneo”, lê-se na decisão.

O júri enfatizou ainda que, “escrevendo num registo muito vivo e dinâmico, beneficiando da experiência pessoal que viveu no campo de Chios, em 2016, a autora vai traçando retratos de mulheres mergulhadas num universo de dor e luto, mas também de esperança. Um livro que, sob a forma de um olhar simultaneamente afectuoso e triste, nos revela a face de uma humanidade perdida de si mesma”.

Julieta Monginho nasceu em Lisboa, em 1958, e exerce funções como magistrada do Ministério Público na jurisdição de família e crianças. Juízo Perfeito ​foi a sua estreia literária em 1996, tendo-se seguido A Paixão Segundo os Infiéis (1998), À Tua Espera (2000), que lhe valeu o Prémio Máxima de Literatura, Dicionário dos Livros Sensíveis (2000), Onde Está J? (2002) e A Construção da Noite (2005). Com A Terceira Mãe (2008) venceu o Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores, e com Metade Maior (2012) foi finalista dos Prémios Fernando Namora e Correntes d'EscritasOs Filhos de K. (2015) também esteve entre os finalistas dos prémios Fernando Namora e P.E.N. Clube.